-BLOG NÃO OFICIAL-

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Pecado

O pecado é a recusa em sujeitar-se a Deus e à Sua Palavra. É inimizade contra Deus (Tg 4.4) e desobediência - Rm 8.7; 5.6 e 10; Cl 1.21; Rm 11.32; Gl 3.22; Ef 2.2.

TODOS estamos sujeitos à tentação, que é o que, caso não seja resistida, nos leva ao pecado. Até o nosso Senhor foi tentado, mas não sucumbiu - Hb 4.15.

Mas, e quanto a nós? Como podemos resistir à tentação? Como em tudo na nossa vida, a Palavra de Deus nos ensina: Tg 4.7; Fp 4+8; Cl 3.1-5, 8-10, 12-17; Rm 12.2.

Seguem agora algumas outras simples explicações acerca do pecado, baseadas em 3 trechos da Palavra de Deus, e um posicionamento cristão, é claro, no que diz respeito ao modernismo, que afirma que o pecado não é pecado, mas apenas um problema ou uma doença. Ainda falaremos do pecado para a morte. Então, vejamos.

Tg 1.13-15: Se permitirmos que nossa mente se demore sobre alguma tentação ou desejo errado, acabaremos praticando um ato pecaminoso, e tornaremos o pecado em um hábito de vida, o que resultará na morte espiritual e eterna, ou seja, seremos eternamente separados de Deus, pois o salário do pecado é a morte - Rm 6.23.

Fp 4.8: Não podemos demorar-nos em maus pensamentos, ou aceitá-los. Em si mesmos, os maus pensamentos não são pecado, mas, quando nos demoramos neles e permitimos que eles incubem, fatalmente eles nos levam ao pecado. E nós, em Cristo Jesus, temos o poder e o dever de rejeitá-los.

Mt 5.28: A palavra grega para "olhar" é um particípio que significa "continuar olhando". O pensamento passageiro não torna o indivíduo culpado nem o obriga a cometer o pecado. Mas o pensamento contínuo leva à prática, à consumação do pecado, e o torna também, caso não haja o arrependimento e a conversão (mudança de direção, de caminho, de rumo), um estado contínuo, ou seja, a pessoa passa a viver no pecado.

Modernismo: o pecado não é pecado, é apenas um problema ou uma doença que pode ser curada por meio de terapia. Em decorrência de tal visão, que infelizmente também domina algumas mentes que deveriam ser guiados pela visão de mundo cristã, muitos crentes, quando pecam, procuram o pastor da igreja para dizer-lhe que estão com um problema, e não para dizerem que pecaram e precisam de ajuda para se libertar do erro.

1 Jo 5.16 e 17 (pecado para a morte): É a transgressão que, cometida de livre e espontânea vontade, ignora premeditadamente os reclamos do Espírito Santo e as reivindicações da Palavra de Deus. É o pecado que foi concretizado sem que o transgressor tenha sido tentado ou induzido a cometê-lo, já que o faz para mostrar que se rebelou contra o Senhor e para declarar-lhE irreconciliável inimizade.

Rejeitando o homem de tal forma a Deus, como alcançará ele a misericórdia?

Devido à sua contumácia, ele mesmo fecha as portas da reconciliação.

Vejam a ligação entre o pecado para a morte e a blasfêmia contra o Espírito Santo, tema já postado em nosso blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário